Revelando minha identidade secreta

Meu nome é Ana Cláudia Pinto. Sou formada em Administração e, atualmente, trabalho como Gestora de Qualidade e Relacionamento em uma Universidade. Moro no Rio de Janeiro, sou casada e tenho uma filha de 8 anos chamada Ester. Apesar da literatura não ter uma relação direta com meu trabalho, sempre fui apaixonada por livros (principalmente os feitos para os pequenos). Fui voluntária em diversas ONG´s para trabalhos comunitários voltados para crianças carentes. Confesso que isso me faz muito bem, pois acho que de alguma forma eu estou contribuindo para um país melhor. A ideia de escrever para crianças veio em 2007 e desde então esse sonho maluco não saía da minha cabeça. Como não sou da área, tive que aprender lendo muitos blogs e sites especializados. Fiz um curso de literatura infantil, que foi muito importante para ampliar meus horizontes. Como não conseguia uma editora que me aceitasse, pois elas já tem o catálogo com escritores renomados, resolvi em 2009 lançar 2 histórias em e-book (Leonardo, o leopardo e Clara tem medo de escuro). O problema é que no Brasil ainda não estava popularizado tablets e smartphones e, acima de tudo, eu não me sentia realizada em ser escritora de e-book (rs). Tentei arduamente por 7 anos até que enviei o original para a uma Editora aqui do RJ que aceitou publicar a minha história. Meu primeiro livro foi  lançado em Out/14 chamado Vira Thor e lata Nina e meu segundo livro foi lançado  em Jul/15 Clara tem medo de escuro.

Bem... agora vocês já conhecem um pouco da minha história.

Essa é a minha Teté

Espero que você goste deste site que criei para compartilhar as minhas experiências como mãe desta linda menina que acabou de completar 8 anos... Sei que ainda temos muitas aventuras pela frente e espero que vocês possam curtir o crescimento da "nossa menina". 

Teté foi o apelido que sua prima Sofia deu quando ela nasceu. Ela não conseguia pronunciar o nome Ester e acabou rebatizando-a de "teté". Seu nome foi escolhido em homenagem a sua bisavó paterna, mãe da minha amada sogra (sem ironias). Ela é a segunda mãe que Deus me deu, pois sabia que eu precisaria de uma mãe extra.

Entre, a casa é sua!

Um pouco de filosofia não faz mal a ninguém

"Somos assim: sonhamos o vôo, mas tememos a altura.
Para voar é preciso ter coragem para enfrentar o terror do vazio. 
Porque é só no vazio que o vôo acontece. O vazio é o espaço da liberdade, a ausência de certezas. Mas é isso o que tememos: o não ter certezas. 
Por isso trocamos o vôo por gaiolas. 
As gaiolas são o lugar onde as certezas moram."
[Fiódor Dostoiévski, em Os Irmãos Karamazov]
 
Confesso que este texto me desafia a trilhar novos caminhos. Tenho a tendência de procurar pousos seguros, mas estes só nos levam a gaiolas apertadas... Que tal ousar se jogar de um penhasco em busca do seu sonho? 

Projetos nada convencionais 2.0

Estes são os projetos nada convencionais que pretendo me dedicar em 2017:

#1: Voluntariado: sempre fui adepta a projetos sociais mas, após a maternidade, resolvi me dedicar integralmente a minha filha. Com a sua maturidade, senti que tem um espaço que posso voltar a realizar ações sociais que não me demandem muito tempo. Escolhi criar um grupo no facebook (4 pet) para atuar na causa de identificação, castração e adoção de animais SRD (sem raça definida). Além das campanhas resolvi em parceria com meu pai desenvolver um bebedouro para instalar com garrafa Pet para que os animais de rua tenham acesso a água potável. 

#2: Livro interativo: decidi voltar a lançar livros digitais (e-book), pois a tecnologia está mais amadurecida e será possível criar livros interativos para esta nova geração. O próximo livro será a Fada  Atrasada.

#3: Gastronomia: quem me conhece sabe que meu talento culinário tende a zero, mas Ester tem me incentivado a desenvolver este meu lado adormecido. Minha ideia é fazer 1 jantar por bimestre para reunir os amigos lá em casa. Quem serão as cobaias?

#4: Cervejaria caseira: André e um grupo de amigos fizeram o curso na St. Gallen (1 fim de semana) e eu dei de presente de Natal um kit para fazer cervejas artesanais que ficou lá em cima do armário quase 1 ano. Nossos amigos nos animaram a fazer a primeira safra em Set/16 e ela foi batizada de Fumaça Beer (em homenagem ao nosso cachorro). Esta  cerveja foi uma PALE ALE. A degustação desta cerveja foi comemorada no aniversário do André no Hotel Fazenda Jatahi (Paraíba do Sul) e a segunda produção seria uma produção  para meu aniversário, mas não deu tempo de maturar. Esta foi batizada em nome de nossa cadelinha Chery. A cerveja escolhida foi uma tipo "stout". Esta cerveja ficou com um cheiro de chocolate e ficou bem forte. As próximas safras serão: Julie (Weiss), Hermione (Blond), Marley, Zeca e No Dog (ainda escolhendo o sabor). Estes são os pets dos nossos amigos que fazem parte do grupo.   Uma galera super animada que adora estar junto! Eu já fiz a produção das embalagens (essa é a parte que eu ajudo rs, rs).

E ai? Curtiram a evolução dos nossos projetos nada convencionais?

Um ótimo 2017!!