Brumadinho

Estrada Real Palace Hotel

Optamos por nos hospedar em Brumadinho, pois é a cidade onde fica localizado o Inhotim. A cidade não tem muita infraestrutura de apoio ao turista: bons restaurantes, pousadas e serviços. Nós optamos por ficar em um hotel indicado pelo site do Inhotim e não nos arrependemos. O hotel fica a 4 Km do parque e tem uma boa estrutura para receber crianças. À noite eles tem um cardápio variado para refeições que atende bem as famílias. Na primeira noite, nós optamos por conhecer a cidade, mas no segundo dia percebemos que estávamos hospedados no melhor da gastronomia local.

Um ponto que a cidade tem que melhorar é em relação a sinalização e retirar o excesso de lombadas (ou quebra-molas).

Veja abaixo os detalhes da viagem.

Hospedagem: Estrada Real Palace Hotel

Período de estadia: 18 a 21/04/15

Ítem que amou ter levado na mala: Chapéus com proteção UV

O que esqueceu de levar: Kit de pintura da Ester (improvisei com um caderno e caneta)

Inhotim - Primeiras Impressões

A primeira vez que ouvi falar de Inhotim foi em 2010 e desde então vinha tentando arrumar um espaço na agenda para ir visitá-lo. O parque fica aproximadamente 55 Km de Belo Horizonte. Por um acaso comentei com um colega de trabalho que estava pensando em passar 1 dia lá e ele me recomendou que me hospedasse em Brumadinho, pois ficaria mais fácil o transporte. Outra dica valiosa foi a contratação do transporte interno (principalmente para quem vai com crianças).

O custo do transporte fica R$ 20,00 por pessoa (fora o custo dos ingressos). Dentro do parque tem uma boa estrutura: banheiros limpos, bebedouros com água gelada, boa sinalização e restaurantes.

Recomendo reservar 2 dias para conhecer o parque. Você não vai conseguir conhecer todas as obras, mas terá uma boa noção do espaço. Lá dentro tem uma piscina que o visitante pode aproveitar. Optei por não fazer isso, pois não era o objetivo da visita, mas vale saber que existe esta opção, pois pode ser um bom refúgio principalmente com crianças em dias mais quentes.

Uma outra dica é comprar o ingresso pela internet. Isso te poupará uma fila de aproximadamente 30 min. (dependendo da hora que chegue). Leve lanches leves para comer durante o dia, pois achei os preços dos restaurantes bem caros. Lá não é permitido fazer piquenique, mas eles não impedem que o visitante leve uma fruta ou barrinhas de cereais.

O parque é dividido em 3 rotas (laranja, rosa e amarela). Você usará o transporte nas rotas mais distantes (laranja e rosa). A rota amarela é indicada para fazer a pé.

Outras informações:

Site: www.inhotim.org.br

Funcionamento: Terças as sextas 09:30 às 16:30 e sábados e domingos de 09:30 às 17:30h. Em épocas de feriados, o parque abrirá excepcionalmente às segundas (veja antes no site).

Restaurantes e lanchonetes: Lá tem alguns pontos de refeições perto da recepção. Eu consegui localizar 2, mas sei que existem outros.

  • Tamboril: Comida buffet. R$ 67,00 (adulto) e metade (crianças). Ambiente muito agradável. Quando chegamos lá o buffet ainda não estava aberto e Estes estava com fome (coisa rara). Fui para o outro local indicado para não perder a oportunidade.
  • Espaço igrejinha: Massa (pratos individuais aproximadamente R$ 20,00). O local é mais simples, mas o atendimento é muito bom e a massa saborosa.

Nos pontos mais distantes ficam as lanchonetes que vendem: água, refrigerante, cerveja e pizza. Eu não utilizei, pois estava com a minha mochila cheia de lanchinhos.

Mapa do Inhotim

As obras que Ester mais gostou

Galeria Cosmococa (G15) - Rota laranja: Galeria que a Ester mais curtiu. Lá tem redes onde o visitante pode deitar e descansar, colchonetes, balões de soprar para jogar para o alto e uma piscina (interna), onde o visitante pode nadar. A única recomendação é que não pode pular e entrar sem sapatos.

Cristina Iglesias (G19)-  Rota laranja: Labirinto espelhado. Esta obra rende uma boa brincadeira e as crianças curtem brincar de "esconde-esconde".

Doug Aitken (G10) - Rota rosa: Esta galeria fica muito distante e a arquitetura é bem impressionante. Lá tem uma perfuração onde é possível ouvir o barulho das placas tectônicas. Infelizmente no dia que fui lá as placas estavam silenciosas, mas valeu pela arquitetura.

Valeska Soares (G14) - Rota laranja: Galeria em octógano espelhado, onde lá dentro tem espelhos projetando uma dança clássica. Este espaço fez muito sucesso aqui em casa.

Matthew Barney (G12) - Rota rosa: A arquitetura é impressionante. Lá dentro o visitante poderá ver uma obra retratando a destruição de uma árvore pelo homem. Vale a reflexão.

Obras que eu não sei descrever onde estavam: ilusão do espelho, bola com água e jogo de luz e labirintos dos caixotes. Desculpe a minha ignorância, mas estes locais eu achei por acaso. Além disso, tem lagos, flores e bancos em formatos lindos para descansar.